Morte… nunca pensei falar aqui sobre este tema…

Antes de começar tenho de pedir desculpas aos meus seguidores pelo facto de nos últimos meses a minha dedicação ao blog ter sido fraca, mas a minha cabeça não estava com ideias nem vontade de escrever coisas que vos pudessem alegrar ou motivar.

Desde Dezembro que acompanho a doença do meu pai, um cancro oculto com metástese no pescoço, numa zona entre a cervical e a carótida, com tratamento que passava pela quimioterapia e a radioterapia.

Não era operável, pois a localização tornava a operação um acto de risco, principalmente por já ter sofrido um problema de coração.

Eu e a minha irmã acompanhámos o meu pai praticamente todos os dias desta luta.

Eu ia com ele de manhã aos tratamentos no IPO e almoçava com ele e ela tomava conta dele à noite depois do trabalho. Dava o jantar e amparava as suas preocupações noturnas…

À sexta feira fugia logo após a radioterapia para o alentejo, para perto da sua mãe… minha avózinha de 93 anos, que foi a sua grande cuidadora quando os tratamentos em Lisboa finalizaram.

Dia 25 de Janeiro foi o último dia de tratamento!

Correu tudo muito bem! Não sofreu queimaduras na pele, comeu pela boca praticamente até à última, algumas aftas… mas andou bem… não fosse uma gripe que o levou ao hospital e de onde demorou 15 dias até ficar bem.

Estava otimista… e nós também!

O susto passou e agora era apanhar os cacos e voltar a ser feliz!

Mas a calma do alentejo, não o permitiram… começou a ficar triste, a comer mal, a emagrecer e a enfraquecer.

Veio por várias vezes a Lisboa pedir ajuda! Queria ser internado, sentia que precisava de ajuda. Mas nos hospitais nunca acharam que precisava de ser internado. Mandavam no sempre para casa, com o diagnóstico de desidratação e fraqueza…

Precisava de comer melhor… mas ele não conseguia.

No dia 11 de Agosto perguntei se queria que ligasse aos bombeiros para o trazerem para o Ipo! Tinham de lhe fazer alguma coisa, pois ele emagrecia cada vez mais e já não se aguentava em pé.

Disse que sim e na terça, dia 13 veio para o IPO.

Quiseram que ficasse lá! Foi um alívio… ia ser internado! Iam cuidar dele para finalmente ficar forte.

Mas ao invés cada dia que passava ele ficava pior…

Cada vez mais fraco, cada vez mais ausente… deixou de conseguir falar passado uma semana. E nós sem saber o que fazer…

Ele tinha entrado fraco, nós sabíamos que não estava bem… mas nunca pensámos que iria piorar tão de repente.

Na quinta feira, dia 21 disseram que iriam fazer lhe um tac abdominal, a barriga estava muito inchada e poderia estar a ter alguma torção intestinal que o poderia estar a deixar com aquela ausência e falta de oxigénio.

Quando o resultado chegou, uma hora depois, a pior noticia de todas… O Cancro tinha alastrado! Estava espalhado pelo fígado, estômago…

A morte estava a chegar…

ANão havia nada a fazer, a morte estava a chegar a passos largos e poucos seriam os dias ou até mesmo horas que o teríamos entre nós.

Não dá para explicar a dor… não dá para explicar os olhares de terror da família… da minha irmã…

Não estávamos à espera que isso acontecesse tão cedo! Ainda tinha tanto por viver…. só tinha 62 anos!

Como é que íamos contar esta noticia à minha avó?!? Nenhuma mãe merece ouvir uma notícia destas… muito menos a minha que o amava tanto, que deu tanto por ele e que já conta com 93 anos num corpo fraquinho que pode não aguentar uma dor tão forte!

Não foi fácil! Não é fácil!

Mas já partiu… como disseram os meus filhos… “Deve estar no céu a brincar com o Golias, ele gostava tanto dele! ( Golias era o nosso Grand Danois)”

Foram duas semanas duras…. passadas no IPO.

Recebeu muito carinho nestes dias, a família e amigos que o amavam não o deixaram sozinho! Partiu carregado de amor…

Neste momento estamos a recarregar as baterias, a aproveitar os mimos dos amigos, a absorver as boas energias de quem nos envia uma mensagem de carinho de de força.

A vida não pára, temos filhos e família para cuidar, ver crescer, dar força para enfrentar os seus próprios medos e desafios por isso não podemos ir a baixo… nem ele ia querer que isso acontecesse.

Do meu Pai recordarei o sorriso, as brincadeiras, o humor alentejano, a calma… as milhares de fotos que me foi tirando ao longo da vida… pois foi um Pai que me acompanhou sempre nos momentos de sucesso profissional, com todo o orgulho.

Era bondoso, amigo do amigo… nunca o vi ter uma atitude má ou impulsiva perante uma situação. Nunca falava mal de ninguém!!! Não existem muitas pessoas assim…

Se é como dizem… que Deus leva os melhores, agora acredito! Pois o meu Pai era o melhor dos melhores!!!

Te amo meu Pai, onde quer que estejas o meu coração está contigo e estará sempre!