As Infecções Urinárias são um problema muito comum e podem aparecer em Homens e Mulheres.

O Dr João Ramos ajuda a esclarecer este assunto:

Mónica – O que é uma infeção urinária?

Dr. João Ramos – Isso é um tema muito comum.

Farto-me de explicar às senhoras que as infeções urinárias raramente se apanham no tampo de uma sanita ou nos locais públicos.

Mónica – Sim, porque há muito esse mito. Dizem muitas vezes que foram ao Centro Comercial Xpto e apanharam uma infeção urinária.

Dr João – Sim é um Mito. Temos que ir sempre pela causa mais comum. Através da urocultura, do exame á urina, conseguimos saber qual a bactéria que causou a infeção.

Normalmente é a Ecoli, ou Colibacilos e sabemos onde é que ela vive… ela vive na flora da mulher, na flora perianal da mulher, por isso é que há certos cuidados que as mulheres devem ter como por exemplo limparem-se de frente para trás, pois ao contrário estamos a favorecer a entrada dessa bactéria na flora vaginal que depois sobe pela uretra e vai até á bexiga, causando a infeção urinária.

Por isso é que no homem é bastante mais raro a infeção urinária…. Porque a uretra do homem é muito mais comprida, e temos uma coisa chamada próstata que também nos ajuda.

Por essa razão é que devemos também nos lavar a seguir às relações sexuais, e fazer também uma micção (xixi) para favorecer a saída das bactérias ou contrariar essa subida.

Nós sabemos que cerca de 80/85% das vezes a infeção urinária é devido a esta bactéria, porque ela vive na flora da mulher.

Ela não se apanha no tampo da sanita ou em locais públicos.

Mónica – Tudo bem que tem a ver muito com a higiene mas porque é que há umas mulheres mais propensas a infeções do que outras?

Dr João – quando uma mulher começa a ter uma infeção urinária novamente e não é costume ter temos sempre de estudar a parte renal e visical. Temos de ver se na base dessa infeção urinária existe algum problema ou de bexiga ou de rim e fazer as análises globais de prevenção que se fazem no médico de família anualmente. Se tudo isso estiver bem, nós muitas vezes não temos como explicar porque é que uma mulher tem infeções mensais, como acontece, e outras chegam á terceira idade sem nunca ter tido uma infeção.

Depois temos mulheres que tem associada à infeção urinária o período mestrual, há mulheres que conseguimos associar às relações sexuais e aí temos forma de tratar, e depois há factores de ansiedade e stress que também está comprovado que podem mexer com o sistema imunitário. Há pessoas que quando viajam têm uma infeção urinária, é o clássico, ou na lua de mel que é estragada pela infeção.

Hoje em dia temos forma de prevenir. Há suplementos que estão comprovados que nas mulheres que têm muitas infeções urinárias de repetição podem ter efeito. Suplementos com arando vermelho ou barbas de milho são suplementos de prevenção das infeções do trato urinário. Depois temos suplementos que podem ajudar a imunidade especifica urinária e deve ser feita uma a duas vezes por ano.

Mas depois temos de explicar às pessoas que o fundamental é descobrir qual é a bactéria da origem dessa infeção urinária para depois tratarmos adequadamente.

Mónica – se uma pessoa tiver infeções urinárias frequentes, deve ficar preocupada com isso?

Dr. João – Para já, como disse, temos sempre de descartar se está tudo bem no rim e na bexiga e no estado geral da pessoa.

Mónica – Com uma análise?

Dr. João – Sim. E com uma ecografia renal e visical. Mas depois destes exames normais nós podemos descansar a pessoa em relação a não haver nada de mais e depois podemos entrar no campo da prevenção, pois é muito incomodativo ter uma infeção.

Mónica – Qual o sintoma? Isto para uma pessoa que nunca teve…

Dr. João – É das dores mais chatas e das doenças que uma paciente ao entrar nas urgências dá-nos logo o diagnóstico.

A pessoa chega e diz logo que está com uma infeção urinária porque já sabe. Até alguém que nunca tenha tido uma infeção sabe que é.

Dá um ardor, chamado disúria, um ardor ao urinar… é o fazer a urina de forma mais consecutiva, nós chamamos poliúria, e ir a correr à casa de banho, que nós chamamos urgência miccional.

Depois também, num estado mais avançado, ou numa infeção mais aguda, pode haver sangue na urina, nós chamamos hematúria e também não é sinal de maior gravidade da doença, pode acontecer.

Os sintomas são estes: é o ardor a urinar, é ter de ir de repente à casa de banho, é fazer urina aos bocadinhos, estar com a sensação que fez mas ainda tem por fazer.

Outra coisa importante a dizer é que uma infeção urinária não tratada ou não vigiada pode evoluir para a infeção renal. Ou seja, essa bactéria que chegou à bexiga pode chegar até ao rim e aí passamos a ter uma Pielonefrite, que é bem mais grave. Portanto, as pessoas não devem andar em casa a passear com uma infeção urinária, devem ir ao médico e tratar.

Mónica – Ir ao médico ou passar numa farmácia e dizer que tem uma infeção urinária e precisa de um medicamento?

Dr João – Ir ao médico. Nessas ocasiões nós temos de confirmar através de análise à urina. Em 10/15 min nós sabemos se tem uma infeção urinária ou não, e tratamos.

Mónica – E as cuecas? Têm influência na infeção urinária?

Dr. João – Sim. E agora entramos no campo de higiene. É claro que as cuecas aumentam a humidade local e aí entramos na higiene. Ouve estudos que tentaram comprovar que as pessoas que usam cueca asa delta ou fio dental podiam ter mais infeções urinárias, isso nunca se chegou a comprovar …

Mónica – Eu estava a pensar mais no nível do algodão ou dos sintéticos…

Dr. João – Claro que uma cueca de algodão te dá mais conforto do que se usares uma cueca de fibra, claro que pode haver uma irritação local.

Mónica – Ou alergia, não é… se a pessoa for propensa a esse tipo de situações.

E diz me outra coisa… hoje em dia estão muito na moda os diuréticos, eles podem desencadear uma infeção urinária?

Dr. João – Bem, os diuréticos não deviam estar na moda porque só devem ser usados em pessoas com hipertensão ou edemas dos membros… pessoas com doenças muito bem diagnosticadas…

Estás me a dizer que são usados por pessoas que usam diuréticos para emagrecer.

Mónica – Sim. Isso era um bom assunto para falarmos aqui…

Dr. João – Isso não se deve fazer! Sei que muita gente faz isso mas está contra indicado. Não tomem diuréticos se não tiverem indicação para isso. Mais vale correrem, natação e beberem muita águinha.

Mónica – Mas há chás que fazem limpar… tipo o chá cavalinha…

Dr. João – sim, e há alguns chás que são utilizados por senhoras como prevenção, como o chá de barbas de milho, erva cavalinha também, que ajudam o transito intestinal e urinário.

Mónica – Fazem bem á parte urinária? Não há problema de tomar.

Dr. João – Eu estava a referir me aos diuréticos, medicamentos diuréticos.

Mónica – sim, eu primeiro estava a falar desses, agora é que estava a falar dos chás…

Dr. João – estes podem ser feitos á vontade.

Mónica – O que podemos falar mais sobre infeções urinárias?

Dr. João – Voltando ao mito… as infeções urinárias não se passam de parceiro sexual para parceiro sexual. Por isso é que quando tratamos alguém com infeção urinária não tratamos o companheiro. Estamos a tratar o sintoma da pessoa.

Aí entramos noutro campo das vaginites e vaginoses, aí sim podemos ter de tratar do parceiro.

No que diz respeito a uma infeção urinária nós estamos a tratar de uma bactéria que entrou na bexiga de alguém, mulher ou homem, e é isso que tratamos, não necessitamos de tratar o parceiro.

Mónica – Ok. Obrigada João.